Triângulo Histórico

O triângulo histórico de São Paulo corresponde a uma área da região central paulistana entre o Largo São Bento, Pateo do Collegio e Largo São Francisco.

Em 1532, padres jesuítas fundaram o povoado de Piratininga, região que hoje entende-se por São Paulo. Alguns anos depois, em 25 de janeiro de 1554, foi celebrada a primeira missa onde hoje conhecemos como Pateo do Collegio, assim foi fundada a cidade de São Paulo.

À época, a cidade não passava muito das áreas entre o Pateo do Collegio e a Praça da Sé. O século XVII foi um período importante para a expansão da cidade, obras públicas de infraestrutura começaram a aparecer, como a construção de estradas e pontes, expandindo as áreas urbanizadas. No início do Império, em 1822, já apareciam bairros novos, o foco comercial da cidade ainda era a produção agrícola. No entanto, já aparecia uma elite empresarial, nos setores de serviços comerciais e financeiros.

Com o avanço das ferrovias, a infraestrutura da cidade foi foco mais uma vez. Aparecendo assim sistemas de iluminação pública, abastecimento de águas, esgoto e linhas de trem e bondes, expandindo o acesso a áreas periféricas da cidade. 

A mudança de governo para a primeira República, em 1889, transforma a cidade, que deixa os valores agrários e escravistas e se baseia em cidades europeias, modernas. Com isso, o modelo econômico se baseia na indústria, surgem bairros operários, principalmente na Mooca e no Brás, além do intenso fluxo de imigrantes europeus.

A evolução comercial do centro e da cidade está extremamente ligada às novas formas de lazer ligadas ao consumo, restaurantes, sorveterias, mercearias. Além do lazer cultural, com a construção de cinemas, teatros e bibliotecas. 

Já no século XX, as reformas urbanas trazem mudanças nas construções, com o surgimento de construções verticalizadas. Assim, o Centro passa a ter duas áreas distintas. O centro antigo (localizado no distrito Sé), com grande inspiração na arquitetura europeia. E o Centro Novo (distrito República), com as novas construções verticalizadas. 

Mesmo aparecendo novos centros comerciais na cidade, o Centro permanece com grande importância para o eixo econômico da capital. Para além das empresas presentes, o foco passa a ser o turismo. A região central contempla diversas atividades culturais, como o Theatro Municipal, museus como a Pinacoteca e o Museu da Língua Portuguesa, e o comércio com a famosa rua 25 de Março, galerias como a Galeria do Rock e o próprio turismo histórico, percorrendo todo o centro.